sábado, 31 de julho de 2010

Brasil - Nossa faceta contemporânea na terra do Tio Sam


A nossa cultura sempre foi conhecida e taxada de forma um pouco diferente das existentes nos demais países latino-americanos. Samba, carnaval, futebol, bossa-nova são alguns dos exemplos de variedades tipicamente brasileiras, oriundas do nosso jeito tupiniquim de ser.


Até aqui nenhuma novidade, mas se observarmos sob uma ótica contemporânea, qual é a cara da música brasileira no mundo? Sabemos que a cultura norte-americana, de forma geral, se mostra soberana ((in) felizmente) no quesito exportar o “seu produto musical interno”, e em menor escala temos exemplos de artistas globais vindos de outros países: várias bandas do roque inglês, Laura Pausini da Itália, Shakira da Colômbia (a mais famosa estrela latina), Ricky Martin de Porto Rico, Kylie Minogue da Austrália entre muitos outros. Obviamente estamos falando de atualidade, já que existiram grandes nomes brasileiros (super) relevantes na musica mundial: Tom Jobim; Roberto Carlos, que já vendeu milhões de cópias em solo internacional (na América latina ele ultrapassou os Beatles com 70 milhões de álbuns vendidos); além, claro, da legendária Carmem Miranda.


Dito isso gostaria de chamar a atenção para dois artistas brasucas que começam a ganhar visibilidade na terra do Tio Sam: Ivete Sangalo e Seu Jorge. Ambos com grandes carreiras de sucesso aqui despontam para vôos internacionais rumo a conquista do mundo. Em ambos os casos a brasilidade aflora em suas deferentes facetas: axé/pop e samba.


(Ivete Sangalo)


Ivete Sangalo há anos desfruta dos topos das paradas brasileiras. Confesso que gosto muito da imagem e do estado de espírito que ela representa: sempre pra cima e animada, como se o mundo fosse uma grande micareta e cada canto do país fosse uma extensão de Salvador. É uma das poucas artistas nacionais que, além de cantar e dançar, viaja pelo país com uma grande produção, corpo de bailarinos e estrutura de palco no padrão tecnológico internacional.



(Seu Jorge)


Já seu Jorge é o dono de um swingado e talento digno dos grandes representantes de nossa cultura. Ser negão malandro e cantar como um ácido anjo é a receita do seu meteórico estrelato. Artista que abrilhanta o cenário musical nacional pelo seu samba/pop e letras que agradam desde o morador da favela até a mais elitizada das burguesinhas.


(Madison Square Garden - Nova York)


Destaco a Ivete e o Seu Jorge porque esse é o momento de efervescência de suas carreiras internacionais. Ivete Sangalo está prestes a gravar o próximo Dvd de sua carreira. Desta vez não será no Maracanã, mas no imponente Madison Square Garden, em Nova York. Palco constantemente ocupado por estrelas como Madonna, Britney, Justin, Stones e U2, esse templo do entretenimento vai tremer ao som do batuque abrasileirado em setembro. Engraçada foi a situação que me deparei: procurando por datas e preços de um show da Lady Gaga que possivelmente irei conferir em fevereiro, encontrei o anúncio do show da Ivete no site oficial do Madison. E não é dos mais baratos não, os interessados terão que desembolsar cerca de 50 dólares para assistir ao vivo as peripécias baianas. Está quase esgotado. Sensacional não é!



(Capa do trabalho internacional do Seu Jorge)


Seu Jorge segue na mesma direção. Lançou o álbum Seu Jorge and Almaz junto com o guitarrista e baterista do Nação Zumbi. Não havia alternativa, caiu nas graças da mídia especializada internacional. A versão gringa da revista Rolling Stones não poupou elogios ao nosso querido sambista: “O cantor brasileiro envolve seu chocolate barítono em torno dessa extasiante aventura com o sucesso setentista de Ray Ayers, enquanto o produtor dos Beastie Boys, Caldato Jr., faz o antigo hit chiar como cigarras no verão. Pedindo mais, por favor!”.


Não é só isso, o cd começa a ganhar notoriedade e já existe uma turnê americana acontecendo. Inciou em Miami (23/07) e partirá para as principais cidades dos EUA e Canadá. Já são vinte e dois shows agendados. Nada mal para um ex-negão da periferia que canta com nossa brasilidade na terra do Obama.


É muito bom vermos esse tipo de situação quando elas acontecem. Pois de forma direta ou indireta é a identidade brasileira que entra em foco e assume o espaço embaixo dos holofotes. Pode parecer que sou americanizado ou qualquer coisa do tipo, mas acima de tudo ou de qualquer preferência musical, sou brasileiro e com muito orgulho. Saber que a miscelânea cultural de qual sou oriundo ganha espaço fora dos limites de nosso território é animador! Parabéns para os nossos artistas.



Grande Abraço

4 comentários:

Suzy Carvalho disse...

reconheço o talento de ambos, mas nao sao das minhas preferencias!

A princess of Bel-air disse...

É muito bom saber que Ivete e Seu Jorge estão fazendo sucesso internacionalmente,é um tipo de reconhecimento merecido ^^
Muito bem escrito seeu texto!!

Márcia Denardi disse...

Oi, Rafa!!! Bem show seu blog, menino!! Vou curti-lo sempre sempre. Já seguindo! Obrigada pelas respotas na minha mini entrevista!

Me segyue lá também... Abração

http://marciadenardi.blogspot.com

Isac Carvalho disse...

Iae Rafa, blz?

Com um blog desse, não seria outra.

Tem um selo pra vc lá no meu blog.

Passa lá: http://isacvcpro.blogspot.com